16 de setembro de 2010

RQA Discute: O Erotismo na Fotografia

A arte de fotografar antes de tudo é a delicada arte de saber enxergar as coisas de modo diferente, e simplesmente congelar aquele instante em forma de uma bela fotografia. E alguns fotógrafos fazem isso de maneira ousada e provocativa. Fazendo com que alguns questionem o limite entre a arte e a pornografia. Mas, afinal, o que é o erotismo? Quais os limites da pornografia? Grandes mestres da fotografia como Helmut Newton, Ellen Von Unwerth e Robert Mapplethorpe, por exemplo, pairam e até ultrapassam esses limites com perturbadoras fotografias. Afinal o erotismo está no olhar do fotógrafo, no modelo ou simplesmente nos olhos voyeur de quem vê?
Essa tem sido a questão ao longo dos tempos em torno do que seja uma foto erótica ou simplesmente arte. Por mais ousadas que algumas imagens sejam, elas apenas retratam corpos humanos desnudos que possuem intrínsecas propriedades estáticas de conotação erótica devido ao seu estado de libido exposto naquele momento e captado numa imagem fotográfica. O que em certos momentos nos faz tranquilizar que são realidades irrefutáveis. Mas vale dizer que é completamente justificável o nosso interesse em apreciar essa estética erótica e provocativa. Pois nossa apreciação estética é vulgarmente condicionada pelas características do modelo, que nos faz confundir com o que somos pela sua beleza e o nosso mais obscuro desejo de assumir que fomos fisgados pela libido transmitida naquela imagem. Assim, ficamos incapazes de observar as qualidades técnicas e artísticas da fotografia em si.

Para alguns, fotos de nudez são apenas fotos de mulheres peladas, fotos eróticas. Mas insistindo na questão, o que faz de uma foto erótica? Podemos avaliar três pontos: o cenário, o figurino e essencialmente a expressão da modelo. Em matéria de cenário, a questão varia de inúmeras formas, pois uma foto pode ser feita num casarão antigo ou à beira de um rio. O cenário tem sua importância pois irá realçar de cara numa fotografia. Nas ousadas fotos de Helmut Newton, seus cenários eram sempre ricos de detalhes e retratam uma classe burguesa curvada diante de seus desejos mais pervertidos. O figurino é um ponto essencial, diria mesmo fundamental de toda a produção fotográfica. Mas não determina a distinção de erótico ou pornográfico, visto que existirem fotos onde as modelos estão totalmente nuas transmitirem um tom erótico, e existirem fotos onde as modelos estão minimamente vestidas e passam para o grau do pornográfico. E fechando tudo isso temos a expressão da modelo, que é de extrema importância numa fotografia. Uma expressão provocativa tende a ser associada à pornografia, o oposto se acontecer de uma expressão dócil e inocente. Como dizem, os olhos são o espelho da alma, e através de um simples olhar pode ser dito muita coisa, se expressar muito erotismo.
O erotismo na fotografia faz parte da nossa vida, assim como o sexo. Assim como é belo se fotografar um pôr-do-sol, também é belo se fotografar um corpo nu. Que pode estar ou não agregado a condições eróticas com intuitos provocativos ou não. E mesmo a pornografia é uma forma de arte, afinal arte é toda forma de expressão do ser humano. O que vai definir na verdade o que é arte ou pornografia vai ser o olhar voyeur do admirador. A fotografia de nu existe desde o início da fotografia. Variando de diferente ótimas ou formas, é mais uma forma de se admirar a beleza em forma curvilíneas, ou não, do corpo humano. Além de trazer atrelado todo um universo erótico que cada um traz dentro de si. Taí o segredo do tema nudez andar atrelada à arte desde o início, seja na pintura, na escultura ou na fotografia. A curiosidade e a admiração despertam instintos e faz com que a fotografia nos realizes os sonhos mais obscuros da nossa libido.
Muito se discute qual o limite da ousadia na fotografia. Afinal existe limites? O que faz de uma fotografia ousada? O contexto ou a atitude? São diversas questões que sempre vêm à tona e nos faz debater o assunto inúmeras vezes. Principalmente quando nos deparamos com fotos na PLAYBOY nas quais as consideramos ousadas ou não. Para entender melhor o limite entre o ousado e o vulgar, conversamos com alguns fotógrafos para saber a opinião deles [e algumas de suas fotos ousadas]. Confiram:PARA CURTIR MAIS...


Complemetos:

- Recomendamos ler esse post ouvindo as músicas "Glory Box" da banda Portishead e "If 6 Was 9" de Axiom Funk featuring Bootsy Collins.

- Foi consultado o livro EROS da Benedikt Taschen

5 comentários:

Ronaldo Ribeiro disse...

Lesbian Chic daria um tema bacana de ensaio...

Duas mulheres se pegando sempre atiça o imaginário masculino. Muita gente criticou o ultimo que Playboy lançou no recheio com uma morena e uma loira, esqueci o nome delas.. Eu curto e muito.

A foto do cara com a cara (rs) metida entre as pernas da mulher é do caralho.

Dann disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Dann Marcs disse...

"Ha uma linha muita tenua entre o ousado e o vulgar..." Acredito que ha na frase do Bauer uma definicao muito exata da realidade, eh muito facil deixar o belo ousado se tornar o feio vulgar. Poucos sao os que conseguem com a arte da fotografia, identificar e respeitar esses limites.

Kelvelyn disse...

To contigo Dann poucos são os que sabem fotografar respeitando os limites.
Post bom de ler e ver.
Parabéns

luciano disse...

Não só bom de ler e ver, mas tambem de ouvir.

A trilha sugerida é otima.




Lesbian Chic, logo.