22 de julho de 2014

Toda a flexibilidade de Marcella Praddo

Confesso que fico sempre esperando pelo gancho certo, pela oportunidade ideal para falar sobre determinada coisa, mas cheguei à conclusão que isso só limita o conteúdo do blog. Então, a partir de agora, passarei a falar sobre coisas mais aleatórias, mas que são de nosso interesse, obviamente.

Pra começar, falemos sobre a capa do superpôster de Marcella Praddo, a modelo que chegou à Playboy como Garota do Fantástico e encantou os leitores. Nos anos 80 era assim: quando uma capa fazia sucesso, quase sempre a revista proporcionava um bis, que vinha na forma de superpôster, com direito a ensaio inédito - como aconteceu com Marcella.

A grande sacada da capa é que remete a uma foto da edição regular de Marcella, de julho de 1987, que certamente mexeu com os leitores na época. É exatamente a mesma pose, com a diferença que na edição regular Marcella está completamente nua e o ângulo é um pouco mais safadinho. 

Outra coisa a ser observada é que, mesmo singelas, muitas capas dos anos 80 são encantadoras - como esta, do superpôster de Marcella. Notem o chão espelhado, a cor do fundo que contrasta lindamente com sua pele, que, por sua vez, está molhada... Tudo bacaninha, bem pensado. É isso que falta atualmente: planejamento, idealizar uma composição. Hoje a maioria das capas é fruto de uma foto qualquer que saiu no photoshoot e que parece adequada. Não se faz uma direção de arte brilhante assim.


Pena que não tenho em minha coleção :(

Vem aí: Clara por Terry Richardson, na Sexy

A essa altura todos já sabem: Clara, a ex-BBB14 com quem Vanessa teve um "romance", fechou com a Sexy e será fotografada pelo badalado Terry Richardson. Foi o jornalista Leo Dias quem deu com exclusividade a notícia. Mas o que poucas pessoas sabem é o motivo de a capa com as duas na Playboy não ter rolado. Vou contar pra vocês.

Playboy realmente tentou fechar com as duas assim que deixaram o programa. Inicialmente, recusaram o cachê proposto e pediram um valor alienado à realidade da revista. Depois de muito tempo e de muita conversa, e de terem sido trazidas ao mundo real, as duas acabaram sendo convencidas. Mas, às vésperas de o contrato ser fechado, Clara passou a ser amparada pelo empresário Marcelo Sebá, que a convenceu a não fechar, porque provavelmente pretendia renegociar, valorizando o seu passe.

Nesse meio tempo, a coisa esfriou, inclusive entre Vanessa e Clara - parece que tretas rolaram. Aí Vanessa fechou sua capa solo. E agora, depois de muito doce, muito tempo perdido, como sempre acontece com ex-BBB's que se deslumbram, Clara fechou acordo com a Sexy. Mas, para não ficar por baixo, recorreram ao Terry Richardson para elevar o trabalho ao status de cult. Como? Através de Sebá. Ele já intermediou vários trabalhos de Terry com artistas brasileiros, e foi a ponte fundamental entre o fotógrafo e a revista.

E pra quem duvida: Marcelo Sebá também é empresário de Nanda Costa, que estrelou a capa de aniversário da Playboy no ano passado, e por muito pouco não tivemos um ensaio duplo, com Bob Wolfenson e Terry. Este último não realizou o trabalho somente por não ter ter conseguido abrir uma brecha em sua agenda. Lembram?

De qualquer forma, a Sexy vai viver um momento interessante. Já estou curioso pra conferir.


O que se espera do ensaio, levando em consideração o passado de Clara e a identidade fotográfica de Terry, é bastante ousadia. A princípio, tem tudo pra ficar bacana



Fotos: Reprodução.
Montagem: Patrícia Raghazzi.

17 de julho de 2014

Vanessa Mesquita, fera radical

Vanessa Mesquita, a campeã do BBB14, em sua elogiada capa de julho: em vez de uma loira peituda, um skate a tiracolo


Não era exagero. O ensaio de Vanessa Mesquita por Fred Othero está mesmo muito bonito, como haviam me garantido. Fotos arrojadas, dinâmicas, e tudo isso sem muito apoio de produção, tudo em meio à simplicidade. Em matéria de ensaio de Playboy, saíram totalmente da zona de conforto, e é disso que temos sentido falta. Concepções com mais personalidade, menos padronizadas, que coloquem a estrela em um ambiente que seja a sua cara, que a deixe confortável para expressar sua sensualidade. O que talvez não conseguiriam se a tivessem adornado com salto alto, lingerie fina, peles e maquiagem carregada. Em vez disso, tênis, regata de algodão, boné. Acertaram em cheio. 



A abertura é linda, e estão fugindo de fonte e diagramação padronizada, como há algum tempo, e contextualizando à temática do ensaio. Todo cuidado com a arte é bem-vindo


O mais legal desse ensaio, especificamente, é a sensação de não ter visto nada parecido antes. Realizar um trabalho que soe como algo fresco para o leitor de Playboy, depois de centenas de ensaios produzidos, é muito difícil. Gostei muito mesmo dessa temática da cultura do skate proposta por Vanessa, e a forma com que tudo foi conduzido, com o grande mérito do fotógrafo Fred Othero. Fred, aliás, estreou com o pé direito clicando estrelas de capa, e espero que emplaque muitas outras porque conseguiu, sem dificuldade, cativar os leitores com sua personalidade e criatividade. Só achei que faltou mais ousadia, mas não sei se isso se deve à Vanessa, à direção de cena ou foi velado pela edição final feita. A quantidade de fotos com nudez frontal, pra mim, é insatisfatória.


A produção do ensaio é muito boa, simples mas com detalhes que fazem a diferença, como o disco dos Beatles que compõe o cenário e reforça todo um estilo de vida passado nas fotos


Vanessa, que está longe do estereótipo de beleza clássica, facial e corporal, está dividindo a opinião dos leitores quanto a isso. É uma questão de gosto, definitivamente. Eu, por exemplo, admiro corpo malhado em que há simetria, em que as proporções são harmoniosas, exatamente como é o de Vanessa. Bunda sensacional, coxas grossas mas sem músculo saltado, barriga chapada mas não excessivamente trincada, seios siliconados fartos, porém não exagerados e braços torneados no limite da feminilidade. Irretocável dentro da categoria de shape fitness, não é o Conan de saias. Naturalmente, não é uma estética que agrada a todos, mas, de uma forma geral, é uma incontestável gostosa para o público masculino. Pra mim valeu. Só faltou mais ousadia, mais despudor mesmo.


Imagens: Reprodução.

9 de julho de 2014

Jessika Alves, provável estrela de aniversário

O dilema sobre a capa de agosto continua. O mais recente nome a ser apontado é o de Jessika Alves, jovem atriz de "Em Família". Segundo o site Ego, ela está fechando a negociação com a Playboy e deve fotografar nos próximos dias. A nota, inclusive, conta com declarações de Jessika, que confirma a negociação e se mostra motivada para realizar o trabalho. Pelo visto, ela será mesmo a estrela do 39º aniversário da revista.

Ao que tudo indica, Maria Casadevall recusou o convite, ficando Valesca Popozuda e Letícia do BBB em stand-by. Com a pressão para dar uma atriz na capa mais importante do ano, e sem tempo hábil para negociações mais delicadas, acabaram optando por uma atriz em início de carreira, ainda sem popularidade, e por isso acessível. Isso só prova a extrema falta de planejamento da revista, que deixou tudo para a última hora. Todas as capas deste ano, aliás, foram fechadas em cima da hora.

Como, pelo andar da carruagem, não esperava nada muito expressivo, essa notícia não me surpreende. Se tudo se confirmar, será uma edição de aniversário no maior estilo "é o que tem pra hoje". É até injusto para Jessika ter que lidar com críticas negativas, má recepção, quando na verdade não tem culpa alguma e está em pleno direito de posar e fazer bonito. Mas, não há como separar uma coisa da outra... Que a revista, a partir de agora, invista em negociações antecipadas, e que, no final, sejamos só elogios ao ensaio de Jessika.



Jessika interpreta Guiomar na novela, empregada da personagem vivida por Vanessa Gerbelli. Seu papel de maior destaque foi em Malhação e ela já apresentou o TV Globinho


Foto: Bruno Ryfer.

7 de julho de 2014

Patriotismo alemão

A Alemanha, próxima seleção adversária a ser enfrentada pelo Brasil na Copa, está otimista. Indício disso? A capa, ou, melhor, as capas deste mês da Playboy deles. Na primeira, um time completo de onze mulheres, o que não é algo incomum para os leitores alemães, já a revista no país adora publicar capas populosas. A outra, alternativa, uma tosca taça estilizada, a mesma que aparece na mão da "capitã" na outra capa, mostrando uma autoconfiança exacerbada. 

O curioso a observar é que a Alemanha, assim como a Argentina, são os únicos países que valorizaram a própria nação em suas capas temáticas. Fica fácil explicar, já que são países com potencial para chegar bem longe no mundial. Já as demais edições internacionais de Playboy que abordaram o tema fizeram isso de forma mais genérica, ou preferiram homenagear o Brasil. Mas nenhum apresentou uma capa realmente bonita e criativa. Quem sabe na próxima Copa...



Da Copa, não sei, mas a taça de melhor capa temática a Playboy Alemanha não tem a menor possibilidade de ganhar

6 de julho de 2014

A capa de julho, com Vanessa Mesquita

Mais um vez, leitores passaram a perna na Playboy, que, com a demora em divulgar oficialmente, são obrigados a compartilhar a capa por conta própria na internet


Já virou algo recorrente: as edições de Playboy, sempre lançadas às terça-feiras, são vazadas dois dias antes, no domingo, quando as primeiras bancas e assinantes começam a recebê-las. Com Vanessa Mesquita não foi diferente. Sua capa já caiu na rede, mais especificamente no grupo da Playboy no Facebook. Linda capa, diga-se! Tô impressionado com o ótimo trabalho realizado. Esta capa é, pra mim, de longe, a melhor do ano, e remete às do ex-diretor de arte de Playboy, Michel Spitale, da gestão Cynthia de Almeida, que eram mais pop, quase sempre com uma identidade temática.

O primeiro ponto positivo desta capa é que já no primeiro instante ela soa como algo inusitado em Playboy. Não vemos essa pose com frequência, muito menos com a estrela com um tênis Vans e empunhando um long/skate. É muito legal quando vemos uma mulher que abre mão de bancar a diva na revista, com joias e lingeries finas, pra assumir seu estilo, sua personalidade. Ponto pra Vanessa. 

De observação "negativa", só atento que havia a possibilidade de explorar mais as curvas de Vanessa sem mudar os elementos da capa. O ângulo e a luz deram uma suavizada, mas talvez seja excesso de preocupação minha em ter apelo comercial. Mas está linda. E espero muito que Playboy surpreenda com capas mais elaboradas nos próximos meses.

O FOTÓGRAFO
Não sei se estão exagerando, mas dizem que o ensaio de Vanessa está lindo. E o responsável pelos cliques é estreante em capa, o promissor Fred Othero. Não se trata de uma revelação total para os leitores porque o fotógrafo vem fazendo várias contribuições para a Playboy recentemente, nos editoriais de moda. E vem chamando a atenção pela qualidade de seu trabalho.

Fred é ex-assistente de J.R. Duran, com quem certamente aprendeu muito. Em matéria de identidade fotográfica, estilo, suas fotos lembram um bocado as de Daniel Aratangy, que dispensa apresentações. Espero que o cara arrebente e emplaque outras capas, porque é sempre bom agregar jovens talentos ao time de fotógrafos veteranos de Playboy. Isso, aliás, é algo que a revista vem buscando, até por necessidade, já que os nomes consagrados cobram caro.


*Obrigado, Bruce Leal e Maicon Silva!

2 de julho de 2014

Servida aos sérvios

Enquanto a empresa que cuida dos interesses comerciais em torno de Neymar trava um luta de braço com a Playboy Brasil, o ensaio de Patrícia Jordane está se alastrando pelo mundo. Do que saiu até agora, o que mais me chamou a atenção foi a capa da Playboy Sérvia, que escolheu uma foto completamente inusitada da "ex-affair" do jogador.

Pinçada da sequência em que Patrícia aparece jogando bola com os figurantes, a foto, em preto e branco, mostra uma mulher bem diferente da vista em outros momentos, quase uma cópia idêntica à Dani Sperle. Tirando essa semelhança que não contribui muito para a beleza da capa, não deixa de ser uma escolha interessante, pra diferenciar-se do que ainda vai ser visto à exaustão mundo afora. Mas devo admitir que acho "legal" por ser uma capa gringa. Se fosse nossa, cairia matando.


Matando a bola no peito. De peito aberto, literalmente

1 de julho de 2014

Linda, refinada e sensual

Se eu fosse alienado, acreditaria que a Playboy USA seguiu o meu conselho de não só pirar criativamente em suas capas mas também dar o devido valor à beleza das estrelas, explorando seus atributos e tudo mais, afinal, é uma revista erótica. 

As capas assinadas por Tony Kelly chamaram a atenção pela inventividade, humor e abordagem fashion, mas muitas delas deixaram a desejar em erotismo, sem um diálogo mais provocante com o leitor, focando mais no bom design. Mas tudo é uma questão de equilíbrio - uma coisa não precisa ser sacrificada em detrimento de outra.

A capa deste mês, com a top model italiana Bianca Balti, mostra que é possível aliar a boa fotografia, o bom design e o apelo erótico. Lindíssima. A foto é de Greg Lotus, o fotógrafo de moda que clicou Leticia Birkheuer para a nossa Playboy em dezembro de 2010. Por coincidência, os ensaios passam a mesma mensagem, da beleza emoldurada pela natureza, distante da afetação fashion das Barbies de Tony Kelly.


Ainda me surpreendo com o renascimento da Playboy USA, que deixou para trás aquelas mulheres siliconadíssimas e fotografia cafona, e hoje ostenta mulheres incríveis, esbanjando refinamento

26 de junho de 2014

Venda da Playboy de Patrícia Jordane será suspensa

Jordane e Neymar: nunca um chamada de capa rendeu tanto


As ameaças de processo contra a Playboy, vindas da empresa familiar que cuida do direito de veiculação de nome/imagem de Neymar, se confirmam. E, não só isso, como já divulgaram, em nota, o deferimento do pedido de decisão antecipada, que acontece nas situações em que a demora no julgamento do caso pode acarretar em danos irreparáveis ao requerente. A empresa alega o uso indevido do nome do jogador, além do dano à moral em relação ao suposto affair com Patrícia Jordane, que sugere um caso "extraconjugal". Resultado: foi determinado que Playboy deve tirar os exemplares de circulação, sob pena de multa diária.

Não é a primeira vez que Playboy sofre com esse tipo de medida. Nos anos 70, começo dos 80, Playboy teve que recolher exemplares das bancas, por conta de ditadura. No começo dos anos 00, a Justiça Federal impediu Ariane Latuf de estampar a capa como Enfermeira do Funk. A edição, que já estava sendo impressa na gráfica, teve que ter sua capa modificada às pressas para atender à determinação, considerada "arbitrária" pela revista.

Abaixo, a cópia da capa do processo, em que está expressa a ordem judicial:



Conclusão: quem tem poder e influência, consegue o que quer. Não deixa de ser um buzz que coloca Playboy em evidência. Mas, quanto ao prejuízo que essa decisão pode acarretar...





Imagens:
Processo: Reprodução.
Montagem: Patrícia Raghazzi/Reprodução Playboy.

23 de junho de 2014

E a capa de aniversário? Vamos especular?

Um tanto quanto tarde, em relação aos anos anteriores, deram início à temporada de especulações sobre a capa de aniversário da Playboy. Nos últimos dias, Maria Casadevall foi a personalidade apontada como a mais cotada para a capa dos 39 anos, havendo, também, uma outra opção, rotulada como "mais popular", que é Valesca Popozuda.
Sobre Maria, não me surpreenderia se ela aceitasse. Ela já mostrou ser bem porra-louquinha e amou ter feito as fotos para a seção Insiders ano passado. Realmente não seria uma capa que faria barulho, mas, na atual conjuntura, seria muito bem-vinda, obviamente. É lindinha e tem tudo pra render um ensaio especial. Já Valesca, apesar de ser entusiasta da ideia de tê-la na capa regular, não é o que a gente espera de uma capa de aniversário.
Fiquei surpreso com as notas levantando esses nomes, porque, até onde eu sabia - e eu posso estar perfeitamente desatualizado quanto aos fatos e intenções recentes de Playboy -, quem estava mais próxima da capa de agosto é a ex-BBB Letícia, uma possibilidade muito mais crível, levando em consideração a quase inexistente capacidade da revista de atrair grandes estrelas. Nos resta acompanhar. Eu, pelo menos, já não nutro grandes expectativas. Estou condicionado a esperar pelo pior.

Maria tem a maior cara daquelas mulheres que não levamos muita fé mas que, no fim, rende um ensaio que marca a trajetória da revista, não tem? Seria ótimo tê-la na capa




Foto: Ian Sardenberg/Divulgação Playboy.